Citogenética

Exame Citogenético ou Cariótipo

Este exame tem por objetivo detectar anomalias cromossômicas numéricas e/ou morfológicas em crianças e adultos através da análise morfológica e contagem dos cromossomos em pacientes com indicação clínica para o exame.
Na espécie humana, um cariótipo sem anomalias cromossômicas caracteriza-se por apresentar 46 cromossomos, sendo descrito: 46,XX nas mulheres e 46,XY nos homens .

Cariótipo masculino normal- 46,XY

As análises para identificação das anomalias cromossômicas mais comuns são realizadas através de materiais e técnicas diferentes. O cariótipo de sangue periférico é o mais comum na rotina do laboratório de genética. Outros exames como:

Cariótipo de medula óssea, Cariótipo de líquido amniótico e vilo corial, Cariótipo em restos placentários e Citogenética molecular (FISH) são também requisitados.

Cariótipo em Sangue Periférico

A) ANOMALIAS NUMÉRICAS:

As síndromes cromossômicas mais comuns na população possuem características cromossômicas próprias. As aberrações numéricas são classificadas em dois grandes grupos : aumento do nº dos cromossomos ou diminuição do nº cromossomos,.
Dentre as alterações numéricas com aumento dos cromossomos citamos alguns exemplos:

      

Trissomia 21 (Síndrome de Down) ou 47,XX,+21 ou 47,XY,+21

Trissomia 18 (Síndrome de Edward) 47,XX,+18 ou 47,XY,+18

 

Trissomia 13 (Síndrome de Patau) : 47,XX,+13 ou 47,XY,+13

ANOMALIAS ASSOCIADAS AO CROMOSSOMO SEXUAL

Síndrome de Klinefelter (XXY)

Existem outras variações menos comuns como: 48 XXYY; 48 XXXY; 49 XXXXY; e mosaico XY/XXY. Todas elas consideradas variantes desta síndrome.

Síndrome de Turner ( 45,X0)

B ) ANOMALIA ESTRUTURAL:

Dentre as síndromes causadas por anomalias estruturais, as quais afetam a morfologia do cromossomo, destaca-se a Síndrome de “Cri du chat” cujos portadores apresentam uma deleção no braço curto do cromossomo 5 (del5p) .

Fig. 2: Deleção no braço curto do cromossomo 5. (Fonte: Google)

A Síndrome de Wolf-Hirschorn também é caracterizada por uma deleção, mas esta no braço curto do cromossomo 4 (del 4p16.3).

Deleção no braço curto do cromossomo 4 ( 4p-)

COMO É REALIZADO O CARIÓTIPO

Método: 1-Sangue Periférico:

Para realização do exame de cariótipo o sangue periférico coletado é implantado em cultura de 72 horas em estufa a 37ºC para crescimento celular. Uma vez que as células estão em processo de divisão mitótica, alguns agentes químicos (Colcemid ou Colchicina) são utilizados para obtenção de cromossomos metafásicos.

Após esta etapa, outros reagentes são utilizados para os processos de hipotonização, fixação e lavagens sucessivas. O material final é então gotejado na lâmina e corado. O processo de coloração pode ser realizado através de diversas técnicas, sendo o Bandeamento ¨G ¨ (coloração Giemsa) o mais comum em nosso laboratório.

São analisadas por microscopia óptica, 30 células por paciente, sendo o estudo ampliado quando há suspeita de mosaicismo. A análise é realizada através da classificação e pareamento dos cromossomos.

São obtidas fotos de algumas metáfases, e uma delas é utilizada para o laudo descritivo final do paciente.

Material: 2-3 mL de sangue periférico com heparina

Prazo de Entrega: 30 dias

Cariótipo em Médula Óssea

ANOMALIAS NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

Estas alterações são adquiridas. A partir da amostra de medula óssea é possível fazer o cariótipo para detecção de leucemias,linfoma,,e doenças oncohematológicas de uma forma geral.

As translocações, trissomias e deleções cromossômicas são comuns nas doenças hematológicas.

Normalmente existem alterações estruturais características de um determinado tipo de leucemia. Por exemplo, a t(9;22)(q34;q11) é uma anomalia típica de Leucemia Mielóide Crônica (LMC), podendo aparecer algumas vezes em pacientes com Leucemia Linfocítica Aguda (LLA) .
Fig:

 

Cromossomo Ph1 ou 46,XY, t(9;22)(q34;q11)

Outra Leucemia com anomalia cromossômica comum é a Leucemia tipo M3- A leucemia promielocítica aguda (LPA) é um subtipo de leucemia mielóide aguda (LMA) responsável por 10% de todas as LMAs. A citogenética convencional, através da análise do cariótipo, é altamente específica . Este teste possui uma sensibilidade de detectar ma células alteradas com a mutação , mas sua metodologia só permite analisar quando estas se encontram em metáfase.

Leucemia (LPA),Tipo M3

MÉTODO:

A medula óssea é aspirada pelo médico especialista e enviada para o laboratório em temperatura ambiente não sendo necessário o uso de gelo. O envio da amostra para o laboratório deverá ser imediato.

Este material se diferencia do sangue periférico, devido a rapidez que deverá ser processado. A medula é implantada em cultura direta, 24 e 48 horas em estufa a 37ºC para crescimento celular. Uma vez as células em divisão, agentes químicos (Colcemid ou Colchicina e Brometo de Etídio) são utilizados para obtenção de cromossomos metafásicos.

Após esta etapa, outros reagentes são realizados para o processo final celular: hipotonização, fixação e lavagens sucessivas e por fim a execução das lâminas, Após a fixação das células, o material final é gotejado na lâmina. O processo de coloração e realizado através de diversas técnicas, sendo o Bandeamento ¨G ¨( coloração Giemsa) o mais comum em nosso laboratório.

São analisadas por microscopia óptica, de 10 a 20 células por paciente. Muitas amostras (medula óssea) apresentam-se pobres em relação a cultura, não se obtendo o número ideal de células necessárias. São obtidas fotos de algumas metáfases, e uma delas é utilizada para o laudo descritivo final do paciente.

Material: 1-2 mL de sangue de medula com heparina

Prazo de Entrega: 15 dias

Cariótipo de Restos Placentários

O material de aborto é uma amostra importante para realização do Cariótipo.

A freqüência estimada das anomalias cromossômicas em aborto é de 40 a 50%.

Entre as anomalias cromossômicas mais freqüentes estão: S. de Turner (45,X0), Trissomia 16 , S. de Edwards ( trissomia 18) , S. de Patau ( trissomia 13 ), S. de Down ( trissomia 21) etc. Após diagnóstico sempre é recomendável o Aconselhamento genético. Existem muitas anomalias que não possuem risco para próxima gravidez e outras entram em um grupo de risco alto, portanto somente o Geneticista Clínico poderá interceder.

Método:

Através do aborto retido, o médico especialista faz a coleta. Somente o material da placenta com seus vilos coriais são armazenados no frasco original de solução fisiológica ( nunca repassar para outro recipiente).No laboratório o vilo corial é raspado da placenta e então colocado em um frasco de cultura especial com meio especial. O tempo que leva para crescimento celular ( fibroblastos) é de mais ou menos 15 dias. Após as células estarem bem distribuídas e mostrando divisão celular (microscópio invertido) é realizado a retirada do material através de uma droga chamada Tripsina.
Após este procedimento todos os passos passam ser semelhantes ao do sangue perférico. As lâminas são executadas e o processo de bandeamento ¨G¨é realizado.

Através das metáfases são pareados os cromossomos, determinando assim o diagnóstico final.

Material: Restos de placenta

Prazo: 30dias

Declaração:
Devido á algumas intercorrências inerentes ao processo de cultura propriamente dito, uma declaração de permissão é assinada pelo paciente , ficando esclarecido que fatores externos de risco podem ocorrer :

1- Material contaminado
2- Material celular morto á mais de uma semana (a cultura de células ficará comprometida)
3- Placenta com infecção
4- Material não acondicionado corretamente. (frascos de maternidade ditos estéries)
5- Aborto com até 3 meses idade

FISH
Exames:
Descrição:
Amostra:
ALK EML4/ALK Corte histológico em Bloco de Parafina
EGFR (HER-1) Carcinoma de pulmão Corte histológico em Bloco de Parafina
EWS Tumores ósseos ou partres moles fixado em formol 10%
FKHR Rabdomiosarcoma Tumores moles fizado em formol 10%
Inv (16) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
LLA (Leucemia Linfóide Aguda) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
LLC (Leucemia Linfóide Crônica) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
MLL (Leucemia Monocítica Aguda) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
Oligodendrioma Deleção gênica 1p/19q Corte histológico em Bloco de Parafina
PML/RARa (Leucemia Promielocítica Aguda) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
RB1 (Mieloma Múltiplo e Leucemia Linfocítica Aguda) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
Rearranjo BCL6 Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
Rearranjo Gênico SYP Corte histológico em Bloco de Parafina
Rearranjo t(14;18) Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
Sarcomas de EWS Ewing/PNET Corte histológico em Bloco de Parafina
Síndrome Cri-du-chat Sangue Total em Heparina
Síndrome Di George Sangue Total em Heparina
Síndrome Miller-Dieker (Lisencefalia) Sangue Total em Heparina
Síndrome Prader Willi/Angelmann Sangue Total em Heparina
Síndrome Smith-Magenis  Sangue Total em Heparina
Síndrome de Sotos Sangue Total em Heparina
Síndrome Williams Sangue Total em Heparina
Sindrome Wolf Sangue Total em Heparina
Sonda 41 Telômeros Sangue Total em Heparina
Sonda Centromérica -Pré Natal – 5 sondas X,Y,13,18,21 Líquido Amniótico ou Vilo Corial ou Cordocentese
Sonda Painting 24 cromossomos Sangue Total em Heparina
Topoisomerase 2A Carcinoma de mama Corte histológico em Bloco de Parafina
Tumores de Bexiga Cromossomos 3,7,9 e 17 Urina
XY Rejeição Medular após transplante de MO com doador e receptor de sexos diferentes Medula Óssea em Heparina ou Sangue Total em Heparina
FISH
Manual de Coleta

TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA MOLECULAR

• CARIÓTIPO – SANGUE PERIFÉRICO

a) Através de tubo Vacutainer ( tampa verde ) – 5 ml de sangue total;
b) Através de seringa descartável, contendo 0.5 ml de heparina sódica ou liquemine. Nunca utilizar EDTA para Cariótipo;
c) Conservar em geladeira (não congelar) até 24 horas ,para enviar ao laboratório;
d) Vedar bem a seringa para não haver contaminação;
e) Nunca trocar para outro recipiente;.
f) Enviar sempre com a indicação clínica.
g) Não necessita enviar em gelo
h) Resultado deverá ser encaminhado em 30 dias;

 

• CARIÓTIPO – MEDULA ÓSSEA

a) A coleta é sempre feita pelo profissional especialista =Hematologista
b) A aspiração da medula óssea é realizada em seringa heparinizada ou com liquemine, de 2 a 3 ml;
c) Vedar bem e encaminhar imediatamente ao laboratório ;
d) Não congelar;
e) Não necessita enviar em gelo;
f) Enviar sempre indicação clínica;
g) Resultado deverá ser encaminhado em 15 dias.

 

• CARIÓTIPO – RESTOS PLACENTÁRIOS (ABORTO RETIDO)

a) A coleta realizada é através do aborto retido (a paciente submete-se a uma internação hospitalar).
b) O material coletado deverá conter o saco gestacional, ou vilos coriais que são percebidos através de ramificações mais moles, não confundindo com a caduca materna.No laboratório é novamente o material separado,
c) O material deverá ser colocado dentro de frasco de soro fisiológico estéril.(É aberto a boca do frasco com a tesoura, como tampa, e fechado imediatamente após o material inserido, com esparadrapo).
d) O material deverá ser encaminhado imediatamente ao laboratório, Poderá ser colocado em geladeira até 48 horas. Não congelar.
e) A entrega do resultado deverá ser encaminhada em 30 dias devido ao processo de cultura que é realizado.

 

• CARIÓTIPO DE SANGUE – PESQUISA DE X-FRÁGIL OU SÍTIO FRÁGIL.

a) Colher de 5 a 8ml de sangue, em seringa lavada com Liquemine – Heparina Sódica ou tubo de Vacutainer de tampa verde;
b) Conservar em geladeira (não congelar) até 24 horas, para enviar ao laboratório;
c) Enviar sempre a indicação clínica, já que neste processo , utiliza-se um mitógeno especial (Fudr ) para induzir a quebra cromossômica do cromossomo X.

 

• CARIÓTIPO PARA PESQUISA DE INSTABILIDADE CROMOSSÔMICA

a) Colher de 5 a 8ml de sangue, em seringa com Liquemine – Heparina
b) Conservar em geladeira (não congelar);
c) Enviar sempre a indicação clínica, já que neste processo , utiliza-se um mitógeno especial (DEB) para induzir as quebras cromossômicas e as anomalias.

 

• CARIÓTIPO DE SANGUE OBTIDO POR CORDOCENTESE OU SANGUE FETAL.

a) A coleta de sangue é feita através do médico, seja de feto morto ou gestação em curso (acima de 24 semanas);
b) É coletado ao redor de 1 ml do sangue do cordão umbilical do feto.

 

 

EXAMES GENÉTICOS MOLECULARES:

• X FRÁGIL
• X-FRÁGIL por PCR: 5ml de sangue com EDTA. Não necessita jejum.
• X-FRÁGIL por Southern Blotting: 10 a 20 ml de sangue com EDTA. Não necessita jejum.

 

• LEUCEMIAS

 

PCR para translocação 15/17:
Material: sangue ou medula óssea – 5ml de sangue ou medula óssea com EDTA . Não necessita jejum.

PCR para CROMOSSOMO PHILADELFIA
3ml de: sangue ou medula óssea com EDTA . Enviar imediatamente para o Laboratório. Não congelar. Não necessita jejum.

 

• INFERTILIDADE
Infertillidade Masculina: pesquisa das microdeleções (AZFa, AZFb e AZFc): 5 ml de sangue total com EDTA.\
Pesquisa do gene SRY: 5 ml de sangue total com EDTA.

 

• METILAÇÃO
Pesquisa para Metilação da Síndrome de Prader Willi e Síndrome de Angelman: 5 ml de sangue total com EDTA.

 

• TROMBOSE VENOSA (TROMBOFILIA)
• 5ml de sangue total em tubo com EDTA

 

• HIPERTENSAO ARTERIAL E DOENÇAS CARDIOVASCULARES
5ml de sangue total em tubo com EDTA

 

•SEXAGEM FETAL
Para coleta do sangue, não é necessário estar em jejum, a coleta pode ser realizada somente na unidade do Laboratório Neurogene até às 15 horas. Coleta a partir de 8 semanas Para maiores informações consulte nossa central de atendimento : (048)3223-0229.

 

•INTOLERÂNCIA A LACTOSE
Coleta de sangue, não é necessário jejum. 5ml de sangue total em tubo com EDTA.

 

•DOENÇA CELÍACA
Coleta de sangue, não é necessário jejum. 5ml de sangue total em tubo com EDTA

 

TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA MOLECULAR (FISH)

• SONDAS UTILIZADAS: 13, 16, 18, 21 e X/Y

a) Coleta de 5 ml de sangue com tubo de Liquemine ou restos placentários;
b) Enviar sem gelo;
c) Enviar sempre a indicação clínica indicando a sonda a ser estudada.

 

 

Open chat